sábado, 16 de junho de 2012

Viver a vida a cada momento

http://weheartit.com/entry/30406060#
     

    Ketylin passava a maior parte de sua vida imaginando como o dia seguinte poderia ser, pegava um pequeno pedaço de papel e anotava tudo o que poderia fazer, ficava quieta na janela imaginando como que todos que passavam ali podiam estar tão felizes, tristes, preocupados, se a cada dia ela imaginava algo diferente para fazer, não pensava em desperdiçar sua vida com contratempos ou pessoas que a atrapalhariam na descoberta de si mesma.
    Pegou o seu pequeno pedaço de papel e o grudou na geladeira, pensou “amanhã será um dia e tanto”, sentou-se um pouco na cadeira da cozinha, olhando para suas marionetes que a acompanhavam em sua casa, apesar da grande vontade de viver a vida, Ketylin nunca se importou com quem a acompanharia nesta jornada, já tinha passado dos trinta anos, mas não ligava, sempre que um rapaz resolvia aparecer e tentar algo, ela sempre o despistava, “homens nunca vão servir para nada, apenas para tentar arrancar algo triste de dentro de mim, e eu não sou assim” era o que sempre se passava em sua cabeça, ao ver casais felizes correndo por ai.  Pegou uma xícara de café e resolveu esfriar um pouco a cabeça, parar de pensar no passado, e sim, no que estaria por vir, logo após, escovou os dentes e deitou-se na cama.
     Na manhã seguinte, fez suas malas e as pôs no carro, respirou fundo, olhou novamente seu pequeno pedaço de papel e sua primeira passagem seria correr um quarteirão inteiro sem parar, ela estava lutando para manter o corpo e tinha se cansado das dietas que mais a atrapalhavam do que ajudavam.
     Enquanto estava presa no transito, olhou para o lado e viu alguns velhos amigos andando juntos, alguns estavam de mãos dadas, pareciam bem felizes, “o que será que estão a fazer da vida?” pensou. De repente seu coração começou a bater muito rápido, aquela sensação que só sentira algumas vezes, quando ainda estava indecisa do que fazer da vida, quis chorar e gritar, então parou seu carro em uma vaga próxima, saltou de lá de dentro, não se segurou, precisava de um abraço amigo, precisava contar e saber novidades dos amigos, precisava da presença deles de novo, ela não aguentava mais a vida solitária que escolhera ao abandonar o passado, mas queria amadurecer esquecendo de todos e de tudo, pois, ela sabia que sempre podia cair ao ver alguém que gostara a muito tempo, sem nunca ter dito alguma palavra.
      O seu reencontro foi incrível, uma moça morena com um belo sorriso, que alegrava o coração de qualquer uma foi a primeira a acolhê-la, Ketylin a abraçou com tanta força que não queria mais soltá-la, quando a soltou viu, todas aquelas faces sorrindo, ela não se conteve, precisava tanto daquele momento como mais ninguém.
      Mas, mesmo sendo o tempo o curador de todas as feridas, Ketylin se enchia de raiva ao lembrar-se de como tinha sido cruel ao se afastar de todos eles, se pôs em lágrimas a pedir perdão, mas notava, que tudo aquilo que acontecia, apenas acontecia em sua mente, ainda estava presa no trânsito, sendo despertada por uma buzina de algum rapaz revoltado por Ketylin não se adiantar e prosseguir seu caminho. Enxugou as lágrimas e continuou teu caminho, ela ainda teria muitos desencontros deste tipo, mas não era o momento para se sentir fraca e parar tudo, resolveu continuar com a sua vida, até porque, nenhum de teus amigos resolveu procurá-la e não seria ela que faria isso.
      Ela não sabia se encontraria um conforto no coração algum dia, mas era melhor desse jeito, pessoas vem e vão como o vento, e há ainda centenas delas para se conhecer, Ketylin seguiu caminho para a passarela, para liberar um pouco de endorfina, e seguir caminho para Madri. A partir daí, ela começaria, novamente uma nova vida.
     Não há como saber o que aconteceu com Ketylin, talvez tenha morrido solteira e feliz, talvez tenha encontrado um amor..... Sua vida se baseou em um talvez.

Nenhum comentário: