domingo, 1 de agosto de 2010

É

( foto: Luna )

Não importa quantas vezes eu precise, não importa se eu cresça, se eu faça diferente, quem se importa?. Estaria sentada na calçada, se não me preocupa-se tanto, com o fato, de alguém, poder vir e me levar, para longe, não me importaria, se crianças brincassem descalças nas ruas, ficaria triste, elas podem não ter uma familia, e eu me achar, no direito, de ser superior, eu não sou, nada disso. Eu não posso, sorrir para alguém, e a julgá-la boa, ela pode ser um perigoso serial killer, ela pode ter roubado algo de alguém, eu não posso julgar nada, nem ninguém. Mas, eu posso descobrir, eu posso tentar, eu posso fazer, mesmo que ninguém saiba, eu vou tentar mudar, me transformar, viver, e tentar ajudar, deixar de julgar, conheçer, e reconheçer. É quem nunca olhou para alguém, e pensou algo? Quem nunca quis matar? Quem nunca teve ódio? Não há como dizer, eu vou mudar, mas há, como tentar.

2 comentários:

My life disse...

vc escreve muiito bem, parabéns, *--* continue assim .
to seguindo ;*

Rascunhos de Nohemy disse...

Parabéens pelo blog,passa no meu e se gostar seguee? Sucesso!! ;