domingo, 25 de julho de 2010

Sim era você.

Como todos esperavam, como todos achavam, Elizabeth era nada tradicional, andava pelas ruas com uma garrafa de Wisky, sentava na calçada, e começava a rir, não se importava com o que os vizinhos achavam, ela queria, viver. Tirava os sapatos apertados, estava cansada da maldita vida capitalista, ela queria ter um pouco de liberdade, não se importava se as colegas de trabalho à vissem, ela arrumaria uma confusão, pouco se importava se apanha-se, sempre foi assim, sua maquiagem pessada, chamava muita atenção, quando estudava, todos arrumavam briga com ela, mesmo que ela sai-se toda machucada ela não desistia, e sempre ria alto, por que, ela sabia o que fazia.
A rua estava fazia, Elizabeth deixava sua garrafa de Wisky do lado por um tempo, e deitara na calçada, imaginando como seria o dia seguinte, e o que faria com seu salário, mesmo sendo pouco, ela sonhava em juntá-lo para poder viajar pelo mundo, e se livrar de tantas pessoas indecisas. De repente ela escuta uma voz feminina, gritando, pedindo por socorro; num gesto, ela se levanta, e corre na direção do pedido de socorro. Dois homens estavam alí, uma mulher estava caída no chão, sua face estava aterrorisada, sua boca sangrava, e ela olhava para Elizabeth como se ela fosse um anjo que surgira para salva-lá.
Elizabeth olha atentamente para os dois homens, e percebe que um está segurando uma bolsa, e o outro um "pé de cabra", naquele instante, ela se pergunta o que poderia fazer para ajudar a moça, sendo assim, ela vê uma estaca de madeira atirada no chão, a pega, em seguida, corre em direção aos dois homens, um deles ao perceber o movimento de Elizabeth, dá um tapa na mulher caída no chão, e começa a resmugar, sendo assim, ele grita para que o outro homem cuide de Elizabeth; ela não sabia o que fazer, tinha que salvar a moça, então, ela dá um salto, que havia aprendido nas aulas de ginástica, e enfia a estaca na região do estômago, do homem que segurava o "pé de cabra". Naquele instante, o rapaz que havia resmungado, olha nos olhos de Elizabeth, cospe no chão, a chama de puta, e se retira do local, levando consigo o outro homem.
Elizabeth, olha para moça, e tenta ajudá-la, ela a abraça, e começa a chorar, e a agradeçe por tê-la salvo.
A moça, conta para Elizabeth, que voltava do trabalho, à procura de uma mulher, e havia sido surpreendida pelos rapazes.
Elizabeth, pede para que ela venha até sua casa, para que possa cuidar dos seus machucados, a moça, concorda, e a segue. Elizabeth cuida, de todos os ferimentos, e diz que não foi nada grave.
- Obrigada, mas, pode parar de me chamar de moça. Meu nome é Patricia.

As duas, ficaram ali, conversando, tomando um gole de Wisky, até ficarem bêbadas. Esqueçeram do mundo, e se divertiram loucamente, até que, Patricia, começava a contar sobre a vida dela, e de uma amiga de infância que amava, mas que não via há tempos, pois ela havia se mudado, mas havia deixado consigo um presente. Elizabeth, ouvia tudo, e se espantava aos poucos.
Eram 03:00 horas, e elas alí, bebendo e rindo. Até que Patricia dissera que precisava ir embora, Elizabeth por um momento ficou triste, mas concordou.
As duas ficaram paradas na porta, se despedindo. Até que Elizabeth, começara a juntar os fatos, e percebera que Patricia era a garota que fora sua única amiga, e sua primeira namorada, sim, era ela; Patricia, disse seu último adeus, e começara a descer os degraus, até que foi empedida por Elizabeth.
- Espere, antes de você partir, preciso te revelar uma coisa muito importante.
Patricia se espantou
- O que?

- Você, eu lembro de você, você era a garota esquisita da minha sala, a única que me dava atenção.

Patricia segurava um colar no pescoço, e o tirara de dentro da blusa, sim, era o presente, que Elizabeth há havia dado, quando haviam completado, um ano de namoro.
- Eu sempre guardei isso comigo.
- Meu Deus! Eu sempre amei você.
Elizabeth, desabou em lágrimas. E começou a abraçar Patricia.
- Incrível, a moça que eu procurava, me salvou, e ainda, é a mulher da minha vida.
As duas, ficaram alí, por um longo tempo, recordando o passado, e planejando o futuro.

2 comentários:

Ronan Augusto disse...

emocionante *-*

é, tem pessoas que marcam muito a vida da gente, só que as circunstâncias do mundo hipócrita em que nós vivemos, acaba por nos separar, o sonho de todo mundo deve ser reencontra um dia com seu grande amor, e poder recordar todas as loucuras do passado.

Danii disse...

Que história surpreendente. Adorei a tua criatividade *-* Quem diria que elas iriam se reencontrar, não é´mesmo?