quarta-feira, 28 de julho de 2010

Era a vez dela.

Agora era a vez dela, de dizer à ele que não tinha mais volta, que os anos iriam passar, que ela não lembraria mais da face dele, mas ela não achava que o garoto fícticio, do "ele resolveu esqueçer." resolveria mesmo, fazer o que ela havia dito, ela deveria ter seguido teu institinto, ter esqueçido de uma vez, daquele amor que não valeria a pena, daquele rapaz, que apenas prometia, que não fazia nada, só tinha cara, não tinha coração, só dizia, e não alegrava.
Mas, ela se prendeu demais, ao rapaz, que agora, sofria, chorava, por ter dito a ele, que iria esqueçer dele, mas, ela via ele, e ela, junto naquela rua, ele estava lindo, quem era aquela garota?, por que ela tinha que assumir o meu lugar?, era só o que ela queria saber. Pensava que fosse de verdade, que iria valer a pena, que todas as promessas eram de verdade, mas não, não passavam de mentiras, ela só sabia, pegar seu presente, bater nele, e deixá-lo jogado no chão, pegá-lo novamente, e se por em lágrimas.
Mas, ela cansou disso, esses 4 anos e 5 meses, não valiam mais a pena.

domingo, 25 de julho de 2010

Sim era você.

Como todos esperavam, como todos achavam, Elizabeth era nada tradicional, andava pelas ruas com uma garrafa de Wisky, sentava na calçada, e começava a rir, não se importava com o que os vizinhos achavam, ela queria, viver. Tirava os sapatos apertados, estava cansada da maldita vida capitalista, ela queria ter um pouco de liberdade, não se importava se as colegas de trabalho à vissem, ela arrumaria uma confusão, pouco se importava se apanha-se, sempre foi assim, sua maquiagem pessada, chamava muita atenção, quando estudava, todos arrumavam briga com ela, mesmo que ela sai-se toda machucada ela não desistia, e sempre ria alto, por que, ela sabia o que fazia.
A rua estava fazia, Elizabeth deixava sua garrafa de Wisky do lado por um tempo, e deitara na calçada, imaginando como seria o dia seguinte, e o que faria com seu salário, mesmo sendo pouco, ela sonhava em juntá-lo para poder viajar pelo mundo, e se livrar de tantas pessoas indecisas. De repente ela escuta uma voz feminina, gritando, pedindo por socorro; num gesto, ela se levanta, e corre na direção do pedido de socorro. Dois homens estavam alí, uma mulher estava caída no chão, sua face estava aterrorisada, sua boca sangrava, e ela olhava para Elizabeth como se ela fosse um anjo que surgira para salva-lá.
Elizabeth olha atentamente para os dois homens, e percebe que um está segurando uma bolsa, e o outro um "pé de cabra", naquele instante, ela se pergunta o que poderia fazer para ajudar a moça, sendo assim, ela vê uma estaca de madeira atirada no chão, a pega, em seguida, corre em direção aos dois homens, um deles ao perceber o movimento de Elizabeth, dá um tapa na mulher caída no chão, e começa a resmugar, sendo assim, ele grita para que o outro homem cuide de Elizabeth; ela não sabia o que fazer, tinha que salvar a moça, então, ela dá um salto, que havia aprendido nas aulas de ginástica, e enfia a estaca na região do estômago, do homem que segurava o "pé de cabra". Naquele instante, o rapaz que havia resmungado, olha nos olhos de Elizabeth, cospe no chão, a chama de puta, e se retira do local, levando consigo o outro homem.
Elizabeth, olha para moça, e tenta ajudá-la, ela a abraça, e começa a chorar, e a agradeçe por tê-la salvo.
A moça, conta para Elizabeth, que voltava do trabalho, à procura de uma mulher, e havia sido surpreendida pelos rapazes.
Elizabeth, pede para que ela venha até sua casa, para que possa cuidar dos seus machucados, a moça, concorda, e a segue. Elizabeth cuida, de todos os ferimentos, e diz que não foi nada grave.
- Obrigada, mas, pode parar de me chamar de moça. Meu nome é Patricia.

As duas, ficaram ali, conversando, tomando um gole de Wisky, até ficarem bêbadas. Esqueçeram do mundo, e se divertiram loucamente, até que, Patricia, começava a contar sobre a vida dela, e de uma amiga de infância que amava, mas que não via há tempos, pois ela havia se mudado, mas havia deixado consigo um presente. Elizabeth, ouvia tudo, e se espantava aos poucos.
Eram 03:00 horas, e elas alí, bebendo e rindo. Até que Patricia dissera que precisava ir embora, Elizabeth por um momento ficou triste, mas concordou.
As duas ficaram paradas na porta, se despedindo. Até que Elizabeth, começara a juntar os fatos, e percebera que Patricia era a garota que fora sua única amiga, e sua primeira namorada, sim, era ela; Patricia, disse seu último adeus, e começara a descer os degraus, até que foi empedida por Elizabeth.
- Espere, antes de você partir, preciso te revelar uma coisa muito importante.
Patricia se espantou
- O que?

- Você, eu lembro de você, você era a garota esquisita da minha sala, a única que me dava atenção.

Patricia segurava um colar no pescoço, e o tirara de dentro da blusa, sim, era o presente, que Elizabeth há havia dado, quando haviam completado, um ano de namoro.
- Eu sempre guardei isso comigo.
- Meu Deus! Eu sempre amei você.
Elizabeth, desabou em lágrimas. E começou a abraçar Patricia.
- Incrível, a moça que eu procurava, me salvou, e ainda, é a mulher da minha vida.
As duas, ficaram alí, por um longo tempo, recordando o passado, e planejando o futuro.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Se for

Para querer um mundo com tantas guerras, com tanto preconceito, eu prefiro ser considerada louca, e ser indevida para sociedade, do que querer, participar, da luta pelo poder, e da vontade de querer vencer, de fingir ser uma pessoa legal, eu prefiro ser chata com aqueles que pouco me fazem rir, prefiro brigar com palavras, do que dar um soco em alguém, prefiro fazer meu mundo, prefiro ficar de cabeça para baixo, e dizer que nada importa, do que me preocupar tanto, sem ao menos fazer nada. Prefiro dar um pedaço de pão, um cobertor para quem precisa, do que mostrar na cara de quem não pode, de que tenho tudo, prefiro ser chata, do que ser falsa, prefiro ser "burra", do que esbanjar saber, sem ao menos saber o que quero. Prefiro, amar meus amigos, do que lutar por alguém perdido, prefiro um presente do coraçao, do que algo caro e nada sentimental, prefiro um sorriso sem dente, do que um lotado de falsidade. Prefiro amigos gays, do que pessoas idiotas e irracionais, prefiro pessoas sem vergonha, do que pessoas que se escondam demais, prefiro viver um mundo louco, do que lutar por algo impróprio. Prefiro brigar com meus pais, do que matá-los e ainda fingir chorar, prefiro sonhar em algo inatingível, do que matar para ter aquilo.
É eu prefiro.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Ação.

( Foto: Gabriel Guerra )

Olhar. Cair. Levantar. Esperar. Sorrir. Caminhar. Você. Eu. Mãos. Olhos. Bocas. Apaupar. Soltar. Respirar. Agradeçer. Ir. Andar. Abrir. Fechar. Subir. Abrir. Fechar. Deitar. Sonhar. Levantar. Abrir. Fechar. Ligar. Molhar. Fechar. Secar. Vestir. Abrir. Fechar. Descer. Ligar. Fazer. Desligar. Comer. Lavar. Sentar. Ligar. Assistir. Desligar. Subir. Abrir. Fechar. Deitar. Dormir. Sonhar. Você. Eu. Olhar. Beijar. Apaupar. Acordar. Desligar. Segurar. Ligar. Marcar. Levantar. Descer. Abrir. Fechar. Correr. Cair. Chorar. Você. Levantar. Sorrir. Beijar. Segurar. Olhar. Rir. Sentar. Desperdir. Chorar. Correr. Abrir. Fechar. Gritar. Correr. Subir. Abrir. Fechar. Ligar. Parar. Chorar. Deitar. Morrer. Chorar. Enterrar. Chorar. Você. Rir. Cair. Levantar. Andar. Atropelar. Morrer. Eu. Rir.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Apenas mais uma vez.

(Foto: M. Salete de Oliveira Cé)

Toronto, Canadá, 10 de Julho de 2010.

Querido Steve,

São tantas as noites que me pego pensando naquele teu toque, naquele teu olhar, naquelas noites incansáveis de conversas, e de amor. Quem diria que apenas uma conversa num bate-papo virtual me levaria até você, mesmo conheçendo parte da tua vida, sabendo que tem uma mulher, e dois filhos, não consigo parar de querer, estar ai do seu lado.
Só o fato de me tocar, tão delicadamente me deixa arrepiada, e agora o que eu mais quero é você. Por mais que eu diga, que estamos apenas pensando no sexo, e nada mais, eu tenho vontade, de olhar no fundo dos seus olhos, e revelar toda a paixão que guardo dentro do coração.
A partir de agora, você pode rasgar esta carta, nada do que eu te digo, para você parece real, eu sei que foram apenas 2 semanas, mas eu quero você aqui, se eu pudesse iria em sua casa, me ajoelharia, mas, eu tenho tanto medo da sua mulher, e da sua reação, mesmo você sendo tão fútil as vezes, eu amo você. Deixe-me viver um pouco mais desse amor, não me deixe sozinha, venha, me busque, vamos fugir, me leve para longe, eu quero mais uma noite com você, mesmo que pareça loucura, droga! Steve, olhe o que você fez comigo, uma prostituta, amando?.
Mesmo que eu quase não chore, essa é primeira vez, que eu desejo tanto um cliente, droga, um cliente não, um homem de verdade, um rapaz digno de tudo, mas, a sua familia, ahh, esqueça, deixe esta carta de lado, talvez seja so mais uma vontade de prostituta querendo largar o trabalho. Mas, eu sei que não é, isso é novo, e único, eu te quero, como nunca quiz, eu quero que venha, e me faça denovo, me conquiste da mesma forma, olhe nos meus olhos, me beije na chuva, transe comigo no quintal, vamos, rolar, vamos nos divertir, pelo menos mais uma vez, não me deixe aqui, pensando que era a última vez, eu sei que você gostou, e que quer mais um vez, eu estou disposta, à tudo mesmo, até, correr na chuva, e nadar na água gelada para te ter mais uma vez nos meus braços.
Eu sei que você vai voltar, e eu vou esperar por você. Entenda, que mesmo eu sendo o que eu sou, eu tenho sentimentos por você, e eu sei, que te amo, pode pensar o que quizer, mas eu sei o que estou dizendo. Não parta meu coração, e nem o da sua familía, mas venha, pelo menos mais uma vez, me faça feliz, denovo.

Beijos,
Susan Hardy.

sábado, 10 de julho de 2010

O pior acaba de acontecer.

(Foto: Meira)
(estava revirando minhas coisas, e axei esse texto.)

Era de manhã, ali estava, em sua pequena moradia construida por galhos, folhas e bambus, Carlos um garoto de seis anos, tem onze irmãos, todos maiores de idade. Apesar de sua aparêncai pobre, trajando simples roupas rasgadas, o teu simples sorriso escondia a tua tristeza.
Carlos e seus irmãos conviviam apenas com seu pai, Luis, que sempre mostrava disposição para trabalhar na sua fazenda, apesar da idade Luis trabalhava "duro", para sustentar os filhos. Infelizmente, sua mulher Mercedes falecera á dois anos, de puro desgosto.
Parte dos irmãos de Carlos não podia trabalhar por apresentarem problemas de saúde, e os que podiam, pouco ganhavam com o trabalho clandestino.
Naquela mesma tarde, Carlos á beira do mar, observou o pôr-do-sol, desmotivado com a vida, segue em direção a aquela imensa e radiante luz, mergulhando na água gelada, começando um intenso nado, até, que suas pernas e seus braços pediam para que para-se, não aguentava nadar mais, e ao olhar para tráz, percebe que não ia conseguir voltar, a dor o domina e tudo que passa a ver é escuridão.
Luis nota, o desaparecimento do filho, corre por toda a redondeza de sua casa e não encontra o filho, um tempo depois, percebe que o pior havia por ter acontecido.
Luis, percebe que agora sua vida não tinha mais sentido, e resolve pegar seu barco, chamar seus filhos, e pedir que entrassem no barco, e desta maneira os leva para um lugar distante na água, em que era impossivel voltar nadando. Os filhos não compreendiam o que faziam ali, mas notaram a tristeza do pai e calados, olhando para o chão, notam um buraco no barco, a água começa a inundar o barco, mas o pai nem se importa, apenas sorri e diz : "Nós sempre vamos estar com você, Carlos".

sexta-feira, 9 de julho de 2010

"Moda".

(Foto: Lúcia Letra)

(ficou um super texto, e lembre-se, quando tiver aspas, é uma opinião minha).

Moda, o que é moda?. A forma como as pessoas querem se vestir? a forma como alguns escolhem a forma como querem viver? ou a forma das pessoas verem em veiculos de comunicação determinados estilos e roupas e decidem seguir aquilo?. Certo, se excluirmos os veiculos de comunicação, certamente, nem saberiamos que diabos é "Modinha", ou, como algumas pessoas são tão influenciadas por programas idiotas, e deixam de ter opinião.
Se eu não me engano, ontem, eu estava conversando com a Carol, e ela me perguntou "O que você acha da banda Restart?", certo, se você leitor, acha que são um bando de viados, de "coloridos", então pare imediatamente de ler. Certo, eu não sou fã deles, mas já sim, ouvi músicas deles, e se você for um fã enlouquecido, e influenciado pelo o que vê na TV, pare de ler.
Agora, vamos ao que interressa, eu simplesmente disse a ela: "Restart, sim eles sabem cantar, sabem inovar, mas, também sabem copiar(Lembrei do post do Juninho ;x). Agora, quando falamos de restart as pessoas levam mais para o lado dos fãs, e o fato, da ideologia emo, e de 'banda colorida' e homossexualidade. Então, falando somente da banda, eu axo que eles cantam bem sim, só falta eles melhorarem um pouco. Agora, sobre os fãs, eu axo que eles são um pouco idiotas, porque eles fazem tudo o que veem na midia.E restart, tem uma letra legal".
Certo, acabei de me lembrar de uma "reportagem" que tava passando na Band sobre Restart, uma suposta fã, disse, "eu me corto mesmo", poxa, eu axei aquilo um absurdo, como uma pessoa em sã conciência, vai se cortar só para dizer "eu sou fã" --'.( isso é idiotice!)
Tá, mas depois, que suposta "moda" acabar, e alguém lembrar de você, em algum momento dizendo "sou fã de tal banda para sempre", e te perguntar, "ouvindo muito aquela banda?", e você olhar com expressão de nojo e dizer "Jamais!". Parabéns, você é mais um idiota, influenciado pelo o que vê na TV, e não tem opinião, eu tenho raiva de pessoas assim, que só ouvem o que passa na TV, e que não sabem nem defender direito o estilo que seguem.(lembro, de quando fresno, ficou "conheçido", cara, lembro que dizeram que eles falaram mal dos beatles, cara, na hora que dizeram isso, eu me virei contra eles SIM, por que eu sei, quando as pessoas podem ou não estar certas, eu não disse que eles eram melhores que os beatles como supostos fãs numa comu, eu apenas disse, eles erraram, e até hoje não se se é verdade isso.)
Agora, fugindo totalmente do assunto de música, vou refletir um pouco, pensando que moda é algo, que parte de uma comunidade segue, um conjunto habitacional é moda, não é? quantas pessoas não tem casa própria, ou, moram de aluguel?. Quantas pessoas, não usam, ou já, usaram a mesma cor de esmalte que você está usando?. Quantas pessoas, já não viram e gostam do mesmo programa que você?. O orkut é moda, não é?. Certo, então deixe, de querer dizer, ou deixar de dizer, o que se pode definir como moda, tem tantas pessoas, que continuam seguindo tal ideologia ou opinião, mas, por idiotas, que acham que sabem o que é determinado assunto, ás ofendem se axando o máximo, sem nem ao menos saber nada.
Tudo o que eu quero dizer é : Quando você decidir transformar sua vida, em tal coisa, ou fazer tal coisa parte da sua vida, conheça primeiro o que é que você vai enfiar na sua vida. E saiba, como se defender, como dizer "não, você está errado, não é isso que quer dizer tal coisa", e não dizer "É um estilo de vida."( isso não é argumento, nem defesa). E deixa, de se influenciar pelo o que vê na TV, e pelo que seus amigos falam. E agora, para quem critica, determinados assuntos, vai aprender o que significa tal coisa primeiro, por que, quando você diz "é modinha", você também é modista, dizer isso se tornou tão clichê e tão chato, que todo mundo fala, mesmo não conheçendo nada.
Deixem, de serem produtos da mídia, vão aprender um pouco, critiquem e defendam com sabedoria, com conheçimento.
E sim!, eu acho que Justin Bieber sabe cantar, só falta ele aprender a usar a voz dele, e a usar letras decentes.

De acordo com o dicionário moda é : (s. f.) Uso passageiro que rege, de acordo com o gosto do momento, a maneira de viver, de vestir etc. Fantasia, gosto, maneira ou modo segundo o qual cada um faz as coisas. Cantiga, ária, modinha.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Confiança

(foto: Maria Matilde Coelho Ferreira Almeida)


Uma questão de saber, reconheçer, a capacidade que o outro tem sobre você, respeitar, e confiar, que aquele ser de tal forma não vai te decpcionar, mas, ao errar uma vez, esse vinculo se torna mais fraco, tudo parece se desprovir de desconfiança, de criticas, e de que nada vai ser como antes.
Por mais que, eu diga, e prometa, que não vou mais errar, pareçe que nada adianta eu falar, minhas palavras correm, sem mais nem menos, apenas correm, e não tem significado.
Agora, ao mostrar claramente e fazer de tudo para que aquela pessoa acredite em você, fica ainda mais difícil dela acreditar que você não vá errar novamente.
O que nos falta, é confiança, e o que nós temos demais, e damos de sobra, é a confiança, lidada ao respeito, de querer o bem do próximo. Eu não quero mais, ver e sentir, as palavras saindo da sua boca, com um tom de sarcasmo, de ironia, sem compaixão, de desconfiança.
Eu quero novamente, olhar nos seus olhos, te abraçar, e dizer as verdades, mas, nada adianta mais, você parece que se iludio com tantas coisas que eu te disse, que a verdade, nem existe mais.
Confiança, o ato de saber lidar com certos seres, e ainda poder sintir, que com aquela pessoa, você sempre vai poder estar do lado, mesmo que pareça, um ato sem duração, e nada complexo, você apenas sabe, quando acaba.
Saber, o quanto, você vai ser levado e jogado para o alto, e saber, que aquela pessoa vai estar ali em baixo, para te pegar.



P.s: nao sei tirar sublinhado.

domingo, 4 de julho de 2010

(foto: L i í, deu vontade de pôr.)

Certo, vou me ausentar por um tempo ( eu acho), não fique nada contente com a prova que fiz hoje 4/07, e realmente, vou estudar nessas férias, e vou provavelmente, postar no blog, somente nos finais de semana. Sim, eu não me preocupo com notas, mas essa, doeu de certa forma.

Desabafo: É triste, você gostar de certas matérias, e de fato, errar parte delas num vestibular, e olhar para aquele resultado e ver que nada adiantou você gastar dinheiro para ir fazer uma prova, e ainda, chegar em casa, e ver a reação do seu pai, olhando para você e dizer " você tem que estudar", poxa eu sei que eu tenho que estudar, que tenho que me esforçar, mais é dificil, ter apenas 2 horas por dia para estudar, e ter que ir de manha e de noite para escola, e fazer curso de tarde. O pior de tudo, é que eu tento me esforçar, mas eu sei que meu pai se decpcionou de certa forma, poxa quanto duro ele deu, e agora eu to aqui em pleno 2° ano de ensino médio, acertando meras questões no vestibular. Eu odeio isso. Sério, agora eu vo me esforçar mais, e certamente, eu vou demorar para postar aqui, e espero, que alguns problemas " da vida" não me atrapalhem.
Certo, isso não tem muito haver, mas eu precisava disso.

Cabe à cada um.

(foto: Filipe)

Ao longo dos anos, observamos a "façanha" de Bill Gates consumindo o mundo, e agora, em pleno século 21, vemos que toda a tecnologia, está em constante mudança.
Mas há aqueles que adquirem seu uso, e os torna um raridade, um bem maior, o utilizam para satisfazer a vontade do conheçimento, ou simplesmente, usarem daquele meio para satisfação corporal, se "consumindo" de imagens, ou, até mesmo conhecendo pessoas que de forma alguma querem o mal.
Talvez, nem todos esperam ver seus filhos sentado em frente ao computador, sendo vítima de um "molestador", muitos de nós esperam ver a nossa geração sentada numa poltrona há espera de ter algo, quase, inatingível, o conheçimento.
Com toda razão, que a internet,tem seus "frutos" de "coisas boas", de cultura, de entreterimento, de "bom" contato social; entretanto, como todo bem tem um pouco de mal, observamos que a internet tem sim suas partes ruins. Não sendo culpa, é claro, de tal mecanismo, mas sim, de quem o usufrui.
Agora, cabe à cada um de nós, saber como aproveitar todas as oportunidades que o mundo globalizado nos fornece, não nos deixando conduzir, por aqueles que, nada conheçem e nada buscam. Cabe à cada um inovar, e não se deixar conduzir pela vontade de conheçer o que é proibido.


p.s: eu fiz isso num vestibular, o tema era sobre a internet.

sábado, 3 de julho de 2010

Fugir.

(foto: Jorge Nelson Alves)

Fugir do mundo capitalista, da ditadura, da modernidade, da urbanização, do barulho, das entrigas, das brigas, das conversas "perigosas", dos problemas. Fugir, de tudo.
Abrir os olhos, derramar lágrimas, bocejar um pouco, querer que o mundo pare. Desejar que algo aconteça mas que você não provoque. Fugir do complexo mundo. Olhar no fundo dos olhos de alguém e dizer toda a verdade, desejar fugir um pouco, que ninguém te procure, desejar realizar todas as tarefas, mas fugir de todas as obrigações, fugir e deixar de ser, por um instante, ser humano.
Querer impor mais, as suas vontades, desejar que não seja contrariado, querer que o mundo te entenda, mas nada funciona, deitar na cama, olhar para teto, esperar, e novamente, fazer e realizar tarefas. Obrigações. Fugir, de tudo. É o que eu quero.
Deitar num lugar queto, fugir do barulho; sorrir amargamente para alguém, e fugir da reação dela; chorar por um coração partido, e fugir dolorosamente do sentimento; machucar a mão, mas fugir do perigo.
Deixar-se levar, pela vontade de querer viver, deixar, de ouvir e de escutar regras, chega, eu não quero chegar aos 30 anos, ouvindo sempre as mesmas coisas, eu quero mudar, eu quero fugir, eu quero pensar, eu quero deixar de ser, um ser humano.
Eu quero, deitar e desenhar um pouco, e tentar viver num mundo, em que eu possa fugir.


p.s: estava sem criatividade, mas queria escrever.