domingo, 16 de maio de 2010

Perder.

Era só você ouvir a minha voz, que corria na minha direção, era só eu dizer que te amava, que o mundo se perdia, e nada mais se tornava. Era só eu te abraçar, te alimentar, que nada mais importava, só o nosso amor.
Mais, agora tudo se perdeo, o mundo, quiz dizer que se importava conosco, que se virou, e resolvel tirar você de mim, talvez a culpa tenha sido minha, de deixar a porta aberta, para que você cria-se assas e fosse embora.
Eu não sei onde estava com a cabeça, talvez, eu não tivesse responsabilidade de ter alguém tão próximo de mim, talvez, eu não soubesse que iria ter esse fim, tão ruim, foi tudo tão ruim, até hoje, só de lembrar o seu nome, e de como foi, eu me "derramo" em lágrimas.
Eu sempre vou sintir sua falta, mas por que tudo tinha que ser assim? Quem sabe, o fato de eu te tirar de quem era que nem você, resolveram tirar quem não era como eu, mas, a gente se dava tão bem, você sempre foi como uma filha para mim.
Os olhos castanhos, pequenos, e redondos, como esqueçer deles? É impossivel, esqueçer até mesmo do seu tamanho, cabia na palma da minha mão, eu adorava te aquecer depois de um longo banho, você corria, e se encostava no meu pé, e eu sempre te carregava, para você perceber que eu te amava, e ainda te amo.
E como olhar para esse corredor vazio? Você não está mais lá, do que adianta te-lô, sendo que nem ao menos posso esperar para te encontrar ali, eu quero te ver denovo. Mas você se foi, foi condenada por um animal, que nem ao menos pode saber o que é amor, "áh" como eu desejaria voltar no tempo, para te impedir de voar para longe, para as garras daquele animal peludo e enorme, desejaria voltar, para não ter que ver, parte do seu corpo, num local nada apropriado, medonho, e assustador. Hoje, eu sempre digo, e peço que você volte, mesmo sabendo que é impossivel, mais eu desejaria tanto, te ter ao menos, mais um segundo nos meus braços, e gritar o seu nome, para que você voltase.
É eu sinto tanta sua falta, minha pequena pomba rola. Minha filha, a única filha, que eu tive, e que eu me arrependo de ter, por ter te deixado fugir aquela tarde, voado para longe, para uma "mata", talvez, eu nem devese te acolher naquela tarde, que você estava caida no chão, e sua familia nem ao menos se preocupava.
Mas eu sei, que eu estava certa, mesmo você tendo morrido, eu sei que estava certa, pois eu te dei o máximo de amor, que jamais dei para ninguém, e depositei tudo em você, tudo mesmo.
Eu jamais, vou te esqueçer.

2 comentários:

O Judeu Ateu disse...

Muito bom esse texto....só não me identifiquei muito

Dica: Mude a fonte tá difícil de ler

Lií disse...

ahh eu gosto dessa fonte. ''/

ahuahau, é um texto bem pessoal.